Cowrolina.

Conversando com meu obstetra, ele falou uma coisa que eu concordei completamente: a sociedade hoje em dia faz a mulher acreditar que o parto natural é uma coisa dificílima e a amamentação é algo fácil e intuitivo, quando na realidade o contrário se mostra muito mais verdadeiro. A amamentação para mim tem sido uma luta danada. Sinceramente, ela se tornou para mim um drama imensamente maior que a surpresa da Síndrome de Down neste primeiro mês.

A Alice nasceu super dorminhoca, curte uma soneca como ninguém, e fazê-la acordar para mamar se tornou uma saga. Já na maternidade começou a luta: Eu, 6 enfermeiras e uma especialista em lactação não conseguiram fazer a pequeninha mamar. Aliás, recomendo a todas as mães que estão encontrando dificuldade em amamentar chamar uma especialista em amamentação, a nossa nos ajudou muito. Segundo ela, a dificuldade da Alice era relacionada ao fato de ela ter nascido pequeninha, sem ter força para sugar, e não com a Síndrome de Down. “A Alice ainda não percebeu que saiu do útero” dizia ela.

Queria eu ser ignorante. Dessa forma, eu não saberia dos benefícios da amamentação, e desistiria logo, e minha vida teria sido bem mais fácil. Amamentar faz bem a todos os bebês, mas o que me impulsionava ainda mais a não desistir é saber como a estimulação dos músculos do rosto e a criação de defesas que o leite proporciona são benéficas para a Alice, sob a ótica da SD.

Mas 38 dias, 2 mastites e 230 tentativas depois (obrigada calculadora do mac!) consegui finalmente fazer a Alice mamar no peito. Para ser mais específica, ontem foi a primeira vez que a Alice mamou super bem, sem precisar de complemento do meu leite ordenhado na mamadeira. Pensa numa mãe feliz 🙂

E toda essa luta – e, mais importante, essa vitória – me fez refletir em como ela vai conseguir fazer tudo, basta a gente ter paciência, estimular, acreditar e respeitar o tempo dela. As conquistas serão mais suadas, mas também muito mais apreciadas e comemoradas. 🙂

Obs.: Por uma ironia do destino, eu sou uma vaca leiteira. Cowrolina. Congelo o excedente e semanalmente faço uma doação para a Carmela Dutra, maternidade aqui de Floripa, eles ficam super felizes.

Anúncios

28 comentários sobre “Cowrolina.

  1. Fulvia disse:

    Carol, Fiquei Muito Feliz por vcs e confesso que Seu texto me confortou um pouco, já que desde que a Valentina Nasceu não mama direito meu peito, uma dificuldade, Tenho que ordenhar tb em todas as mamadas, não Tem sido fácil, Mas agora vejo que não posso desistir! Bj grande nas duas

  2. Marina Bortoluzzi disse:

    Que grata surpresa esse novo blog ❤ Vou acompanhar sempre, amoreca! Beijo em ti, no Thom e na Alice-fofice! Mah

  3. Cintia disse:

    Oi! Por acaso, entrei em seu blog, algum amigo do facebook acho que citou. Achei que você escreve tão bem que me encantei. Estou agora acompanhando e torcendo por vocês sempre!

  4. stellarivello disse:

    Mais um “puxo” da tia Neinha! Mamar e dormir, dormir, dormir, dormir, mamar, dormir, dormir, dormir, dormir, dormir….

    Que linda que é a minha tulipinha amarela. Estou ha um dia sem vê-la e já tenho saudades!

    • Andrea Durieux disse:

      Nossa,lendo esse depoimento percebo que vc Carol foi abençoada por esse ser tão especial que é a Alice, pois estou vendo que nasce em vc uma guerreira. E eu que achava que era uma boa mãe, dedicada, atenciosa com meus filhos. Eu não sou nada, faço o basico, vc sim é mãe de verdade e um exemplo para todas as mães. Parabéns…..

  5. Marina Seara disse:

    Carol, adoro ler seus posts. Como sempre digo a todas as mamães de primeira viagem: Se amamentar fosse fácil não teria tantas propagandas para incentivar. Não foi diferente comigo, pois os meus foram prematuros, mais ainda assim consegui até o 4º mês. Beijos e boa sorte

  6. Lisandra disse:

    Carol,
    Em primeiro lugar, quero dizer que amo a forma que escreves, e principalmente, o que escreves…
    Sempre repito isto, e na Carmela Dutra, quando dou instruções quanto à amamentação, digo isto para as mães (e todas concordam…) acho que as campanhas de amamentação pecam neste quesito, colocam a amamentação como a coisa mais fácil do mundo, – colocou no peito e pronto!!! Gerando uma baita frustração nas mamães de primeira viagem, penando e achando que são as únicas do mundo que não conseguem amamentar… A moral da campanha deveria ser “Insistam”!!! hehe
    E é bem por aí, sou suspeita p falar, pq sou fã da estimulação precoce… É uma área em que amo atuar… estímulo é tudo!!!!
    “Crianças são como borboletas ao vento….algumas voam rápido….algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito….Cada uma é diferente, cada uma é linda e cada uma é especial.”

    Grande beijo

  7. Mirela disse:

    É Carol, lendo seu post, eu me lembrei da cruz que passei pra amamentar o Vini, foram dias internado também, com baixo peso por não mamar de jeito nenhum! E como eu tinha leite nossa, e como doía (tudo, física e psicologicamente). Ao contrário da Alice, três meses depois o Vinícius ainda não mamava direito no peito, foi muito sofrido.
    Taí a maior verdade: ninguém conta pra gente que a amamentação é um grande desafio, e as campanhas são tão felizes né? cheias de mães lindas maravilhosas com os filhos mamando quietinhos…
    Fico muito feliz por vocês duas, e que venham as próximas fases, que eu também não são fáceis… Acho que meu eterno medo como mãe, é saber se estou agindo certo com meu filho, se estou educando corretamente, ou mimando demais (mãe sempre mima muiiiiito) e acho que vou levar isso comigo muito tempo ainda.

    Um beijo grande, a jornada está só começando, e é linda 😉

  8. soninharivello disse:

    Minha filha, sinto um orgulho imenso de você!!!
    Post lindo! Filha linda, neta linda ( e Thomas também pelo incentivo sempre, hehe)

  9. Vanessa disse:

    Admiro o seu jeitinho de se expressar! Fui aluna da sua mãe e desde que ela noticiou o blog no facebook eu o acompanho. Sério, poucas pessoas conseguem ser tão sinceras com palavras como você Cowrolina. Parabéns pela linda família!

  10. Simone disse:

    Parabéns! Pelas palavras, pelo amor que demonstra,, por tua persistência e desejo de fazer tua pequena Alice feliz! Sempre me emociono ao ler tuas experiências e descobertas/ Para mim são uma grande lição de vida. Bjs.

  11. Ana Paula Hoppe disse:

    Encontrei seu blog por acaso no face de uma amiga, me identifiquei com seu texto, afinal, no dia 31/08 minha filha nasceu em uma cesárea de emergência, antes da data prevista assim como a Alice…sai do trabalho direto para a maternidade e nem a mala dela peguei…no início pensei: “Nossa, parece que estou lendo a minha história!” , mas aí percebi, que claro, cada um tem a sua história, e a sua é linda! Parabéns pela filha linda, pela força e coragem…
    Minha pequena ficou alguns dias na UTI, tive dificuldade para amamentar tbm, mas nós acabamos na mamadeira, mesmo eu tendo amamentado meu primeiro filho até 1 ano e meio, com a Clara foi diferente, busquei ajuda, mas ela não conseguiu pegar…enfim, cada um com as suas dificuldades e diferenças, tornando-os sempre especial, minha filha e especial e sua linda Alice tbm…

    bei
    desistindo… 😦

  12. Tanas Soletti disse:

    Carol, conseguir amamentar é a maior vitória de uma mulher! Que parir o que… isso é mole. Nada que uma anestesia não resolva na hora da dor. Agora, só quem sabe a dor e a delicia que é saciar um bebê, é a mãe que morre de dor, os peitos racham, sangram, mas seguimos ali firmes e fortes. Literalmente, com cara de dor e paisagem olhando para os nossos pequenos que precisam tanto da gente. Eu sempre digo para as minhas amigas : Ninguém diz pra gente que amamentar dói horrores e, todos os lamentos que iremos passar nas tentativas. Mas, não existe nada melhor depois que a tempestade passa, e tudo entra no seu ritmo normal e natural. Não é assim que está sendo agora ? Curte muito. Dá muito mama. Doa leite (eu tb era uma vaca leiteira…). Curte esse momento tão legal que é ver e sentir o quanto importante é o laço da mãe com a filha. To amando o blog e sou tua fã. bjuuuu

  13. Fatima Alves Da Silva disse:

    Oi Carol, realmente amamentar é muito difícil, eu também passei por isso com minha Barbara, a primeira filha, todos dizem que é muito complicado mesmo. Ah, uma coisa se eu soubesse que primeiro filho é tudo mais complicado, seria melhor ter o segundo antes do primeiro… Mas a Raquel sempre foi muito dorminhoca também, passava horas dormindo, ficava ate muito preocupada também, mas dizem que o sono também alimenta a criança, siga enfrente, e como dizia a minha mãe… “PE de galinha não amassa pinto…” Siga seu instintos que tudo dará certo…,Beijos

  14. Renée Melo disse:

    Cowrolina!!!
    Que vitória, hein??
    Meus peitos tão doendo só de imaginar hihi
    You’re so cute and genuine minha amiga, uma fluidez deliciosa esse blog!
    love youuuu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s