Quebrando copos

Na imagem: pratos e copos quebrados. Crédito: https://www.flickr.com/photos/joshhikes/

Na imagem: pratos e copos quebrados. Crédito: https://www.flickr.com/photos/joshhikes/

Outro dia estava conversando com uma grande amiga que procura sempre dar o seu melhor como mãe (assim como eu) mas que frequentemente enfia os pés pelas mãos (assim como eu). Estávamos rindo das nossas desventuras, erros e acertos, quando chegamos a conclusão: só quebra copos quem lava a louça. Ou seja: só faz besteira quem está lá, diariamente, tentando acertar e dando a cara a tapa.

Ela também comentou que uma vez, ao testar luvas novas para lidar com sua interminável montanha de louça suja, acabou lascando quase todos os pratos (mas que depois que se habituou com a nova situação, foi bem melhor para ela). E isso me fez refletir. As vezes para sair da zona de conforto e tentar melhorar, você passará por um período quebrando muitos copos. Mas que nem sempre sucessivos erros são prova definitiva de que você tomou uma decisão errada, e sim uma etapa de adaptação necessária para chegar num cenário melhor que o anterior.

Na imagem: inúmeras louças quebradas. Crédito da foto: Cheryl Empey

Na imagem: inúmeras louças quebradas. Crédito da foto: Cheryl Empey

(abre parênteses) Um bom exemplo deste tipo de situação, é a inclusão escolar de crianças com deficiência. Sim, no início será complicado. Muitos tropeços acontecerão. Mas só iremos aprender se insistirmos, e não desistirmos no primeiro copo quebrado. O aprendizado vem com a prática e, como costuma dizer minha mãe, errar é pedagógico. 🙂 (fecha parênteses)

Por isso, antes de cair na tentação de apontar os erros alheios, vale parar e pensar: será que eu não estou errando menos porque também me envolvo menos? Talvez eu não seria mais útil ajudando na louça do que reclamando dos pratos lascados? Será que o preço da inércia e do comodismo não é alto demais, como uma pia lotada de pratos sujos?

Eu seguirei aqui quebrando copos, muitas vezes enfiando os pés pelas mãos, remoendo inseguranças e comemorando vitórias. Pois isso significa que eu me recuso a me acomodar, de tentar ser uma boa mãe e querer o melhor para minha filha.

Anúncios

Nossa vida com… Cacá!

As vezes me sinto abençoada por poder ter contato com tantas famílias legais, e conhecer tantas histórias emocionantes. O “Nossa vida com…” de hoje traz a história do fofo Cacá e sua super família. O primeiro rapaz a aparecer aqui nessa sessão, até que enfim 🙂 Olhem que história linda!

nvccaca

“Na nossa família temos uma tia fonoaudióloga, a tia Rita, que sempre teve um carinho muito grande por pessoas com síndrome de Down. Com dois filhos maiores, a Anna Rita e o Marco Túlio, tia Rita espalhava aos quatro ventos que adotaria uma criança com down, mas poucos davam bola.

Há sete anos, Cacá chegou na nossa família, mais precisamente no dia 29 de março de 2007, já com dois anos de idade. Quando chegou, Cacá ganhou dois irmãos, três mães, um pai e uma legião de tios, primos e avós apaixonados por ele. Já nossa família ganhou luz, uma lição de vida e muito, muito amor. O nome Carlos Daniel foi mantido, mas ninguém o conhece dessa forma. Na verdade, a tia Rita, mãe número um, só usa Carlos Daniel quando está brava. No mais, é o nosso querido Cacá.

Desde o início, ele passou por sessões de fisioterapia, foi para a escola regular e para a Apae. Nesse meio tempo, fez também equoterapia – Cacá tem um carinho enorme por animais – e hoje está aprendendo a nadar. Atualmente, com nove anos – fará dez em janeiro do ano que vem – ele cursa a segunda série do Ensino Fundamental 2, no período da manhã, e à tarde vai para a Apae, ou para a natação. Além de animais, Cacá gosta muito, muito de água. Quando vai a praia, fica por horas e horas no mar, com a pele enrugadinha, e é capaz de beber o oceano todo.

Quem leva o Cacá para a natação é a Má, mãe número dois, e para tirá-lo da piscina é um Deus nos acuda. Ele se diverte e dá a risada mais gostosa quando percebe que está dando trabalho. Quando chega na tia Nena, mãe número três, Cacá mostra para todos o seu lado mais sistemático: abre o armário da cozinha, pega a caneca, o coador, o pó e o açúcar na dispensa para que tia Nena faça o café que, por sinal, ele não vai tomar.

Cacá sempre se faz entender. Quando está com fome, abre a geladeira e pega o que gostaria de comer, normalmente começa pela vasilha de feijão. Faz alguns sons quando quer mais e outros quando não quer, mas ainda não fala.

Além da água e dos animais, Cacá se diverte muito com programas infantis e, principalmente, com música. Fica por horas e horas ouvindo, ou vendo a mesma coisa. Nossa família já sabe de cor e salteado as falas e as músicas de Cocoricó, Shrek e companhia.

Há alguns anos, ele nos deu um baita susto, pegou uma pneumonia forte e muito difícil de ser diagnosticada. Teve que passar 18 intermináveis dias na UTI de uma cidade vizinha, onde descobriram que ele tinha a Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SARA). Hoje ele está bem e fora de perigo.

Ninguém da família imagina mais a vida sem o Cacá. Somos muito gratos por tê-lo em nossas vidas. Muitos tiveram que adaptar a rotina desde a chegada dele. Uma mudança para melhor, por amor.”

Que linda a história, não é mesmo? Quem escreveu foi a querida Cora Dias, prima do Cacá, escondida da família, para fazer uma surpresa, hihi. E isso que ela fala no final do texto posso garantir que é verdade. Ao menos é assim que eu me sinto também, com a chegada da Alice. Agora algumas fotos do querido Cacá:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Estimular é um barato: massinha comestível!

Tenho um “Nossa vida com…” tão fofinho para colocar no ar, mas ainda não consegui organizar toda a história/fotos. Também não chegaram as fotos da mini-festinha de aniversário que fizemos para a Alice. Então, para o blog não ficar às moscas, que tal mais um “Estimular é um barato”? 😀

Dessa vez indicamos… massinhas de modelar caseiras e comestíveis! Não que o objetivo seja comê-las, mas é sempre bom brincar com coisas seguras e menos tóxicas, não é? Essa próxima receita é testada e aprovada, com selo bebê pig de qualidade. As vantagens são as mesmas da tinta natural: são mais seguras, mais baratas e respeitam mais a natureza.

Segue a receita que usamos: (fonte.)

Material
4 xícaras de farinha de trigo
1 xícara de sal
1xícara e 1/2 de água
1 colher de chá de óleo

Modo de Fazer
Numa tigela grande, misturar todos os ingredientes e amassar bem até ficar boa para modelar. Se ficar muito dura, colocar mais água. Se ficar muito mole, colocar mais farinha. Fácil, né? Dependendo da idade do seu filho, dá até para ele ajudar nos preparativos. Para dar cor a massinha, usei corante de alimentos. A dica é fazer um furinho na massa, pingar as gotinhas, e depois fechar e enrolar. Se você entrar em contato direto com o corante, pode manchar a sua mão.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nossa experiência
No quesito entretenimento, devo admitir que a Alice prefere brincar mais com tintas do que com massinhas. Acho que a massinha pede um pouco mais de envolvimento e pensamento abstrato, enquanto as tintas você pode brincar se lambuzando, que já é bem divertido. Para envolver mais a Alice na brincadeira, introduzi algumas “ferramentas”, para ela interagir com as massinhas: peguei brinquedinhos dela que martelavam a massinha, furavam, faziam formas. Assim ela se interessou um pouco mais.

Observações
1. Caso seu bebê seja muito pequeno, ou você desconfie de alguma alergia, prefira a massinha natural, sem corantes.
2. A massinha tem validade de aproximadamente 15 dias.
3. Caso você queira usar a massinha por menos tempo, pode usar menos sal na receita. A massinha fica muito salgada! Por um lado isso é bom, pois fica com um gosto bem desagradável. Mas com menos sal uma ingestão acidental em grande quantidade fica mais segura.

E agora algumas fotos da pequena brincando!

Este slideshow necessita de JavaScript.